Posted tagged ‘peixe’

Alligator Gar (Peixe-Jacaré)

18/08/2011

Fala Biogaleraa!!

Hoje vocês vão conhecer um cara de aparência estranha que pode até assustar, no entanto é um peixe relativamente passivo, solitário que vive em águas salobras norte-americanas. Importante salientar que apesar de boatos, não há nenhuma prova concreta que esse animal tenha atacado algum humano.

Esse cara é um primitivo peixe actinopterígeo. Ao contrário de outros Gars , O Alligator gar possui uma linha dupla de grandes dentes no maxilar superior. Seu nome deriva do jacaré, devido a aparência destes dentes, juntamente com focinho alongado do peixe. A superfície dorsal da Alligator gar é um marrom ou verde-oliva de cor, enquanto a superfície ventral tende a ser mais leves.

Aligator gar (vulgo peixe-jacaré)

Uma característica anatômica interessante deste peixe é que sua bexiga flutuabilidade está diretamente ligado à sua garganta, dando-lhe a capacidade de tirar do ar acima da água. Por esta razão, Alligator gar são frequentemente encontrados perto da superfície de um corpo de água.

Espero que tenha gostado de conhecer um pouco mais sobre o Alligator gar, vulgarmente conhecido como peixe-jacaré e se possível deixem comentários com dúvidas, elogios, críticas, etc.

Abraços e boa semana a todos!

Aligator gar (vulgo peixe-jacaré) com o apresentador richard rasmussen

Fonte: EO Wiley, 1976 A filogenia e biogeografia de gars fósseis e recentes (Actinopterygii: Lepisosteidae).. Mus. Nat. Hist. Univ. Kansas Misc. Publ. 64:1-111.

By Kássio Castro

 

 

Uma nova espécie é descoberta a cada três dias na Amazônia

29/10/2010

Quando vi essa matéria não posso mentir, meus olhos brilharam! rsrs Achei muito interessante e quando vi as fotos do bichos então, aí foi que fiquei empolgada mesmo. Adoro essa diversidade que a natureza possui: inúmeras espécies de bichos, plantas, cores, aromas, etc. Se a Amazônia  já era um lugar que eu queria muito conhecer, agora mais do que nunca é uma das minhas primeiras opções de destino, não só a passeio, mas se Deus quiser, um dia ela me servirá como instrumento de estudo. Oxalá esse dia chegue logo!

“A organização ambientalista internacional WWF (World Wide Fund for Nature) lançou um relatório que faz uma extensa compilação das mais de 1.200 novas espécies de animais e vegetais descobertas na Amazônia na última década.

Segundo o estudo, intitulado “Amazon Alive!” uma nova espécie foi descoberta a cada três dias na região entre 1999 e 2009.

Os números comprovam que a Amazônia é dos lugares de maior biodiversidade da Terra: foram catalogados 637 novas plantas, 257 peixes, 216 anfíbios, 55 répteis, 39 mamíferos e 16 pássaros.

“O volume de descobertas de novas espécies é incrível – e isso sem incluir o grupo dos insetos, onde as descobertas também são muitas”, afirma a coordenadora da WWF no Brasil Sarah Hutchison.

O falcão críptico (Micrastur mintoni) foi descoberto em 2002 no Estado do Pará

Foto: Andrew Whittaker

“Esse relatório mostra a incrível diversidade da vida na Amazônia e por isso precisamos de ações urgentes para que essas espécies sobrevivam.”

A rã Ranitomeya benedicta é uma das mais de 1.200 espécies foram descobertas na Amazônia entre 1999 e 2009

Fonte: Rick C. Wes

Mais de 1.200 espécies foram descobertas na Amazônia entre 1999 e 2009 – uma a cada três dias -, segundo o relatório ‘Amazon Alive’, da World Wide Fund for Nature (WWF). A rã Ranitomeya benedicta é uma dessas espécies.

A tarântula Pamphobeteus grandis chama a atenção por sua coloração lilás

Foto: Rick C. Wes

A tarântula Pamphobeteus grandis, encontrada no Amazonas e no Acre, chama a atenção por sua coloração lilás. O gênero Pamphobeteus engloba algumas das maiores aranhas do mundo.

O sagüi-do-rio-Acari está entre os 39 mamíferos catalogados

Foto: Georges Néron

O sagüi-do-rio-Acari (Mico acariensis) está entre os 39 mamíferos catalogados. O animal, descoberto em 2000, tem 24 cm de altura e pesa apenas 420 g.

Essa espécie de aranha se alimenta de pássaros

Foto: Christian Rabeling

Descoberta na Guiana Francesa em 2000, a aranha Ephebopus cyanognathus chama a atenção pelas presas azuis em contraste com o corpo marrom. Essa espécie de aranha se alimenta de pássaros.

A nova espécie de bagre, encontrada em Rondônia, vive basicamente em águas subterrâneas

Foto: Janice Muriel Cunha

A nova espécie de bagre Phreatobius dracunculus, encontrada em Rondônia, vive basicamente em águas subterrâneas. O peixe foi descoberto em poços artesianos.

A rã Hypsiboas liliae parece estar de olho em tudo

Foto: Philippe J. R. Kok

“Esse relatório mostra a incrível diversidade da vida na Amazônia. Por isso, precisamos de ações urgentes para que essas espécies sobrevivam”, diz a coordenadora da WWF no Brasil, Sarah Hutchison. Na foto, a rã Hypsiboas liliae.

Outra espécie descoberta na última década é a Martialis heureka, conhecida como a 'formiga de Marte'

Fonte: Christian Rabeling

Outra espécie descoberta na última década é a Martialis heureka, conhecida como a ‘formiga de Marte’. Ela tem até 3 milímetros de comprimento, não tem olhos e possui grandes mandíbulas.

A rã Osteocephalus castaneicola é uma das espécies conhecidas da região

Foto: Jiri Moravec

A WWF observa que a Amazônia abriga 30 milhões de pessoas e uma em cada dez espécies conhecidas. Na foto acima, a rã Osteocephalus castaneicola.

Da família dos papagaios, o Pyrilia aurantiocephala foi classificado "ameaçado"

Foto: Arthur Grosset

Da família dos papagaios, o Pyrilia aurantiocephala habita regiões próximas aos rios Madeira e Tapajós e foi classificado “ameaçado”, por causa de sua população reduzida.

O Psychrophrynella illampu é um dos novos anfíbios descobertos na floresta amazônica

Foto: Ignacio J. De la Riva

O Psychrophrynella illampu, encontrado em 2007 na Bolívia, é uma das 216 novas espécies de anfíbios descobertos na floresta amazônica nos últimos dez anos.

A Amazônia abriga a maior variedade de peixes de água doce do mundo

Foto: Kris Weinhold

O Apistogramma baensch está entre as 257 espécies de peixes descobertas nesses 10 anos no rio Amazonas e em seus afluentes. A Amazônia abriga a maior variedade de peixes de água doce do mundo.

O lagarto Anolis cuscoensis foi descoberto na amazônia peruana

Foto: Steven Poe

Segundo a WWF, 17% da floresta amazônia já foi destruída, com grande impacto sobre a biodiversidade. Na imagem, o lagarto Anolis cuscoensis, descoberto na amazônia peruana.

A Amazônia é um dos lugares com a maior biodiversidade da Terra

Foto: Andreas Fleischmann

A Amazônia é um dos lugares com a maior biodiversidade da Terra. Outra das espécies descobertas é a planta Drosera amazonica, encontrada em 2009 nos Estados do Amazonas e de Roraima.

Sucuri da Bolívia pode ter até quatro metros

Foto: José Maria Fernández Díaz-Formentí

A Eunectes beniensis é conhecida no Brasil como Sucuri da Bolívia e pode ter até quatro metros. Inicialmente, ele foi classificada como um híbrido entre duas espécies de sucuri.

Medidas urgentes são necessárias para a preservação desta grande variedade de espécies

Foto: Flávia Costa

“Uma mudança no paradigma de desenvolvimento precisa começar, com a maior urgência, para preservar a funcionalidade do bioma amazônico e sua incrível biodiversidade”, afirma Ahmed Djoghlaf, secretário-executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU.

O peixe Compsaraia samueli foi descoberto em 2008 no rio Tocantins

Foto: William Crampton

Durante essa década, foram descobertas 637 espécies de plantas, 257 peixes, 216 anfíbios, 55 répteis, 16 pássaros e 39 mamíferos. Entre eles, está o peixe Compsaraia samueli, descoberto em 2008 no rio Tocantins.

Gostaram? Essa matéria e muitas outras no:

Fonte: http://www.verde.br.msn.com

Post by: Alzira Farias

Beijos.