Archive for the ‘Herpetologia’ category

Tartaruga de duas cabeças e seis patas é exposta ao público na Ucrânia

24/02/2012

Fala Biogalera!!!

Depois de passar um tempinho longe do Biogalera devido a motivos acadêmicos estou de volta com uma grande curiosidade que está rodando o mundo e resolvi compartilhar com vocês!

Aos amantes de Biologia e principalmente os da parte de Biologia marinha, atentem-se a essa tartaruga de duas cabeças e seis patas apresentada ao público na Ucrânia.

Tartaruga com duas cabeças e seis patas é exibida na Ucrânia. (Foto: Genya Savilov / AFP Photo)

Uma tartaruga com duas cabeças e seis patas está em exibição no Museu de História da Ciência de Kiev, capital da Ucrânia. O réptil de 5 anos de idade possui também dois corações, mas apenas um intestino. O animal será mantido em exposição até o dia 20 de abril de 2012.

O animal participa de um evento promovido na instituição. O organizador Dmitry Tkachev acredita que a tartaruga seja fruto de uma mutação e que não sobreviveria se deixada na natureza. Ele também afirmou que uma cabeça não consegue enxergar a outra, o que pode levar cada uma delas a comandar o corpo para andar em direções opostas.

A equipe responsável pelo animal também afirma que cada cabeça “aprecia” tipos diferentes de comida: enquanto uma prefere folhas, a outra não suporta alimentos verdes e consome preferencialmente cenouras e pimentas.

Espero que tenha gostado de conhecer sobre esse caso tão curioso exposto na Ucrânia

Abraços e tenham um ótimo dia!

Fonte: http://g1.globo.com

By Kássio castro

Anúncios

Tartarugas vivas em forma de chaveiro são a nova moda na China

11/04/2011

Primeiramente gostaría de agradecer ás 282 visitas de ontem. Para uns parece pouco, para nós é uma alegria!! Obrigada mesmo! Isso aqui é pra vocês.

Bom, é com tristeza que hoje eu venho postar essa notícia. Isso é  A-B-S-R-U-R-D-O! Onde é que nós vamos parar? Vendendo crianças dentro de saquinhos plásticos também?

“A mais nova bugiganga que está sendo vendida por ambulantes chineses, nas estações de trem e metrô do país, são chaveiros que vêm com uma tartaruga brasileira ou um par de peixinhos dentro de um minúsculo plástico com água colorida.

A denúncia foi feita pelo jornal Global Times, que afirmou que, em apenas cinco minutos, o repórter escalado para checar a denúncia assistiu à venda de 10 chaveiros. Segundo o veículo, para ganhar a simpatia dos compradores, os ambulantes garantem que o acessório traz boa sorte e que a água com corante possui nutrientes que permitem que os animais sobrevivam dentro do chaveiro por meses.

Depois de assistir à transação, o repórter interrogou alguns compradores: enquanto uns realmente acreditaram na balela dos ambulantes e compraram o chaveiro para fazê-lo de amuleto, outros afirmaram adquirir o acessório, apenas, para soltar os animais na natureza.

Seja como for, as ONGs chinesas defensoras dos animais já estão se mobilizando contra a crueldade, que por incrível que pareça não é considerada crime no país. Isso porque, na China, a única lei de proteção animal vigente diz respeito, apenas, aos bichos selvagens de médio e grande porte”.

 

Chaveiro de tartaruga viva - Foto: Li Bo

Pode uma coisa dessas minha gente? Eu custo acreditar que hoje em dia ainda tenha gente tão ignorante no mundo.

E aos que compram para liberta-las depois, meus parabéns. É a melhor forma de gastar bem o dinheiro de vocês. Ainda que ninguém deva precisar pagar pela liberdade, nem mesmo de um animal que nasce livre e assim deve permanecer.

FONTE: Planeta Sustentável – Revista Abril – Débora Spitzcovsky

POST by: Alzira Farias

Boa semana!!!

Canibalismo entre “calangos de parede”

10/02/2011

Primeiramente gostaria de lamentar pela minha ausência do blog durante esse tempo de férias, em breve o Biogalera virá com uma nova cara, com muito mais curiosidades, artigos, novidades dos autores do blog, etc.

Então Biogalera!

Hoje eu começo compartilhando com todos vocês um fato extremamente curioso que observei na minha casa. E além de trazer informações científicas, técnicas, dentre outras, o Nosso blog tem a função de compartilhar essas coisas inusitadas e ao mesmo tempo tão belas na natureza e às vezes nem tão belas assim… srsr … Como a que pude presenciar hoje pela manhã.

Trata-se de um caso de canibalismo entre os vulgarmente chamados “calangos de parede”, mas antes de descrever toda essa historia seria interessante que nós soubéssemos um pouco mais sobre esse cara tão comum no nosso cotidiano que às vezes passa despercebido aos nossos olhos.

“O calango de parede” é denominado cientificamente como Tropidurus SP, sendo pertencente à família Tropiduridae, esse cara é muito comum em toda América do sul e principalmente no Brasil. É um pequeno lagarto que consegue andar como as lagartixas pelas paredes e troncos de árvores em posição vertical, embora suas patas tenham outro tipo de formação preênsil. Tem hábitos diurnos. Rápido nos movimentos, e sob calor fica muito mais ativo, e é comum vê-lo balançando a cabeça para cima e para baixo (movimento que os nordestinos denominam como calaguear) Além do mais são animais ovíparos e esses caras podem atingir até 30 cm de tamanho.

Canibalismo entre Tropidurus sp observado na minha residência

Mas afinal, do que se trata esse tal canibalismo, como vocês estão podendo observar na figura acima. O canibalismo é uma relação entre indivíduos da mesma espécie. No canibalismo, um animal mata outro da sua própria espécie para se alimentar. A aranha viúva-negra e a fêmea do louva-a-deus são exemplos de canibalismo. Em ambos os casos, as fêmeas devoram os machos após a cópula (ato sexual). Contrariamente ao que acontece no nosso caso, onde uma espécie adulta se alimenta de um jovem ainda. Isso é muito comum entre essa espécie, porém eu nunca havia presenciado fato tão interessante.

Mas vocês devem está pensando, tadinho do filhote, acabou sendo devorado pelo maior! Pois estão profundamente enganados, hoje a caça se sobressaiu em relação ao caçador, Em um momento de distração a presa conseguiu se soltar e ir embora, mas isso é raro, trata-se da lei da evolução das espécies, onde o mais forte eliminam os menos aptos, ou no caso se trate apenas de uma escassez de alimento, fazendo com que o calando maior visse uma boa refeição no pequeno Tropidurus. Mas o bacana mesmo foi poder ter presenciado cena tão incrível na minha própria casa e ter a oportunidade de compartilhar com vocês … rsrs

Tropidurus sp menor perto de conseguir fugir do maior

Espero que tenha gostado de conhecer um pouco mais sobre o nosso querido e conhecido Tropidurus sp, além de ter ficado um pouco mais dentro do assunto de canibalismo e melhor de tudo, poder visualizar esses dois fatos, ou seja, Canibalismo entre Tropidurus sp. Muito obrigado por lerem e estamos sempre abertos a sugestões, dúvidas, curiosidades de todos nossos irmãos leitores.

By Kássio Castro

Fonte: http://www.plantasdeaquario.com/zoo23.htm ;

http://pt.wikipedia.org/wiki/Canibalismo;

http://educar.sc.usp.br/ciencias/ecologia/associa.html

Primeiro registro de nidificação de Eretmochelys imbricata e Lepidochelys olivacea no Delta do Parnaíba, Piauí.

08/11/2010

Fala Biogalera!!!

Devido ao gigantesco número de trabalhos, provas, etc. Ficamos um pouco ausente do Biogalera, mas estou voltando mostrando um pouco sobre duas espécies de tartarugas que tiveram registros de nidificação pela primeira vez no litoral piauiense, no caso a Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766), vulgarmente conhecida como tartaruga de pente!

A tartaruga-de-pente ou tartaruga-de-escamas (Eretmochelys imbricata), também conhecida pelos nomes de tartaruga-de-casco-vinho, tartaruga-legítima e tartaruga-verdadeira, é uma tartaruga marinha da família dos queloniideos, encontrada em mares tropicais e subtropicais. Espécie criticamente ameaçada de extinção devido a caça indiscriminada, possui carapaça medindo entre 80 e 90 cm de comprimento, coberta por placas córneas imbricadas que fornecem um material utilizado na confecção de diversos utensílios.

Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766)

E a Lepidochelys olivacea, vulgarmente conhecida como tartaruga-oliva, ou tartaruga-pequena (Lepidochelys olivacea) é uma das menores espécies de tartarugas marinhas. Ganhou esse nome por causa da cor olivia de seu casco em forma que lembra umcoração.

Lepidochelys olivacea

Então! antes de falar um pouco mais das espécies é importante salientar que as referências, principalmente, foram tiradas do trabalho das pesquisadoras WERLANNE M. DE SANTANA e  ROBERTA R. DA SILVA-LEITE. Trabalho este que apresenta informações sobre a ocorrência de desova das espécies E.  imbricata e L. olivacea  no  Litoral  Norte  do  Brasil,  ambas classificadas  em  estado  “crítico”  e  “vulnerável”  de extinção, respectivamente (IUCN 2008).

Existe na região do litoral do Piauí, mas precisamente nas cidades de Parnaíba e Luís Correia voluntários que desenvolvem um trabalho maravilhoso de conservação e preservação de tartarugas marinhas, denominado “Tartarugas do Delta”. Dentre esses voluntários estão alunos de biologia e engenharia de pesca da UFPI e UESPI, pesquisadores das mesmas,  biólogos, moradores e até surfistas!

Abaixo eu apresento um pouco do trabalho do grupo “tartarugas do delta” para que possam ter uma visão, mesmo que superficial, do maravilhoso trabalho que eles realizam no litoral piauiense.

Eu sempre que vejo vídeos como esse fico até emocionado pela bravura, coragem e força que um bicho tão pequeno tem para enfrentar um mar tão gigante. Essa foi uma reportagem que mostra como é feito o trabalho de monitoramento, morfometria, estudo, etc. das tartarugas que desovam na costa piauiense.

Placa de avisando que é uma área de desova de tartarugas!

Agora que conhecemos mais um pouco sobre o grupo tartarugas do Delta vamos falar sobre esse 1º registro de nidificação de Eretmochelys imbricata e Lepidochelys olivacea no litoral piauiense.

Antes de tudo, nidificação é o processo de construção de ninhos e isso foi observado em tartarugas de pente e oliva na região da Praia do Arrombado, município de Luís Correia, Piauí, Brasil. O  primeiro  registro  foi  de  um ninho  da  espécie L. olivacea,  aberto  (naturalmente) no  dia  24  de  abril  de  2009,  às  10:00h.  O  ninho possuía  0,47  m  de  profundidade,  com  um  número total de 128 ovos, classificados em: (02) natimortos, (06)  não  eclodidos  e  (120)  eclodidos.  O  segundo caso foi uma eclosão ocorrida às 21:40h do dia 28 de junho  de  2009  da  espécie  E.  imbricata.  O  ninho possuía  0,52  m  de  profundidade,  com  um  número total de 123 ovos, classificados em: (10) natimortos, (07)  não  eclodidos  e  (106)  eclodidos. Os materiais biológicos  coletados  estão  disponíveis  no Laboratório de Zoologia da Universidade Federal do Piauí/ UFPI  – CMRV,  de  acordo  com  a  licença  do IBAMA-SISBIO, protocolada sob N° 14052-1.

 

Ninho de tartaruga!

Biogalera atualmente cinco espécies ocorrem e se reproduzem no Brasil e saber que essas duas espécies frequentam nosso litoral é motivo de orgulho e principalmente de preocupação visto que TODAS AS ESPÉCIES DE TARTARUGAS MARINHAS ESTÃO AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO, ou seja, devemos zelar por esses animais são de uma beleza imensurável!

Muito Obrigado por lerem!

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre essas duas espécies e do projeto tartarugas do delta!

By Kássio Castro

Fonte: Primeiro registro de nidificação de tartarugas marinhas das espécies
Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766) e Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829), na região da Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba, Piauí, Brasil;

 

Conhecendo um pouco mais sobre serpentes

24/09/2010

Fala Biogalera!

Então, vou tentar esclarecer um pouco mais sobre um bicho tão temido, que é a serpente. Esses caras são vertebrados pertencentes à Classe Reptilia e Ordem Squamata. No Brasil o número de ofídios é a aproximadamente 370 espécies, segundo a Sociedade Brasileira de Herpetologia.

Mas como eu sei que se trata de uma serpente e não de um lagarto, por exemplo? Bem, esses animais têm algumas peculiaridades, No entanto o fator decisivo para diferenciá-los é o de eles não possuírem pálpebras, ou seja, serpente não pisca!

Figura mostrando a ausência de pálpebra em serpentes e presença nos lagartos!

Os ofídios têm como características principais: São praticamente cegos, têm a língua bifurcada e são animais desprovidos de cintura escapular, não possuem membros inferiores ou superiores, apesar das jibóias apresentarem vestígios de membros, que seria passos de uma característica evolutiva. Esses caras são rastejantes, com exceção das serpentes marinhas que têm hábitos nadantes. No entanto, todas as serpentes nadam muito bem e possuem diferentes habitats, podendo ser: arborícolas, terrestres ou aquáticas.

Então, para que serve a língua bifurcada das serpentes? É através da língua que esses bichos captam partículas de odor presentes no meio ambiente e às direcionam para o Órgão de Jacobson, localizado dentro da boca que serve como uma espécie de órgão olfato.

língua bifurcada das serpentes

Um fato curioso nos ofídios é um órgão copulador chamado hemipênis presente nos machos, como esses animais não têm membros o hemipênis funciona também para segurar a fêmea na cópula, além de liberar os espermatozóides. Imagens ou vídeos de serpentes copulando são muito raros.

Hemipênis de serpente

As serpentes são carnívoras em sua maioria, podendo alimentar-se de larvas de insetos e insetos adultos, roedores, caramujos, peixes, sapos, outras serpentes, etc. Algumas têm hábitos alimentares diferentes quando jovens, comendo invertebrados e mudam a dieta quando adultas alimentando-se de vertebrados.

Cobra comendo uma galinha

Espero que possam ter entendido um pouco mais sobre serpentes e gostaria de informá-los que em breve vamos postar uma continuação dessa matéria, explicando diferenças básicas de serpentes peçonhentas e não peçonhentas, além de muito mais curiosidades sobre o mundo ofídico.

Muito Obrigado por lerem e se possível deixem comentários, sugestões, etc.

By Kássio Castro

Fonte: Conversando sobre ciências em Alagoas. Escorpiões, aranhas e serpentes: Aspectos gerais e espécies de interesse médico no Estado de Alagoas.

Serpente siamesa

15/08/2010

Olá Biogalera!
Recentemente correu no mundo um vídeo de uma tartaruguinha siamesa, gerando uma série de vídeos na internet, dentre estes vários, um vídeo de uma serpente siamesa foi muito falado, e daí várias perguntas surgiram. Por exemplo: como esse bicho caça, as duas cabeças são funcionais e como será que os mesmos se alimentam?

Então, antes de falar desse bicho é importante salientar de onde surgiu o termo siamês. Essa denominação começou a ser usada por causa dos gêmeos Chang e Eng, que nasceram no Sião (atual Tailândia) em 1811. E o interessante desses siameses ligados pelo tronco  (tinham o mesmo umbigo e fígado, conectado por seis polegadas de tecido) é o fato de eles terem casado com as irmãs Adelaide e Sarah Yates e tiverem 22 filhos, Os gêmeos ficavam metade do dia na casa de cada esposa, eles tinham personalidades distintas, porém foram “bem ligados”. Os gêmeos Chang e Eng permaneceram ligados até o final de suas vidas. Chang sofreu um derrame e morreu de bronquite. Eng morreu, aparentemente de choque, duas horas e meia depois. Chegaram aos 63 anos. Existem filmes, livros, etc. sobre a bonita historia de Chang e Eng.

Gêmeos Chang e Eng Bunker

Depois dessa bonita história dos gêmeos Chang e Eng vamos falar sobre a serpente siamesa encontrada por veterinários no jardim de um zoológico do Sri Lanka. Então respondendo às perguntas anteriores. Bem, essa é uma Píton bebezinho medindo mais ou menos 24.5 cm, visto que esse animal fica gigantesco que possuí a mesma anomalia genética dos gêmeos citados acima, porém possuindo duas cabeças que têm alguns órgãos mútuos,  no entanto essa anomalia em répteis acaba se tornando rara.

Ela possuí dois cérebros funcionais e pode comer com ambas as bocas, quando ela se movimenta tende a usar a cabeça direita para se guiar, aparentemente o lado direito serve para navegação. E para uma maior percepção de como ocorre a alimentação dessa serpente siamesa. Lhes mostro um vídeo de uma outra serpente, também siamesa se alimentando de um roedor.

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco sobre os gêmeos Chang e Eng e da serpente siamesa encontrada no Sri Lanka e continuem lendo o Biogalera, quando possível deixando comentários, sugestões, etc.

Fonte: http://hypescience.com/10-animais-com-duas-cabecas/ e http://www.lost.art.br/changandeng.htm

By Kássio de Castro

Jesus Christ Lizard ou simplesmente Lagarto Jesus Cristo

18/06/2010

Olá Biogalera!

Eu estava assistindo alguns vídeos da National geographic e tive a felicidade de encontrar uma criaturinha de uma beleza imensurável e uma característica dela interessantíssima. O Jesus Christ Lizard, que traduzindo para o português é Lagarto Jesus Cristo. Ele tem esse nome devido á uma comparação de uma passagem bíblica, de quando Jesus Cristo anda sobre as águas da Galileia, pois esse bicho consegue andar sobre a água também.

Esse cara tem essa habilidade devido à alguns fatores evolutivos, que são: uma espécie de bolsa de ar sob as patas traseiras, além de nanoestruturas (pelos ou tubos nanométricos) que permitem que literalmente o bicho caminhe sobre as águas e é importante ressaltar que a velocidade que esse cara atinge é fundamental para que ele realize essa façanha.

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre o Lagarto Jesus Cristo e continuem acessando o Biogalera.

Fonte: National geographic

By Kássio de Castro