Archive for the ‘Experimentos’ category

Estudo em ratos revela anticorpos do Alzheimer

07/03/2012

Fala Biogalera!!

Hoje lhes trago um pouco mais sobre uma doença que atinge milhares de pessoas em todo mundo, porém não tem recebido a devida atenção por parte das entidades competentes.

Atualmente, em todo o mundo existem entre 17 e 25 milhões de portadores de Alzheimer, o que representa 70% do conjunto de doenças que afetam a população geriátrica. O Mal de Alzheimer deteriora algumas regiões do cérebro, que alteram o comportamento físico, mental, a linguagem, entre outros, levando a demência.

Relato do Dr. dráuzio Varella sobre o Mal de Alzheimer

Relato do Dr. dráuzio Varella sobre o Mal de Alzheimer

Mal de Alzheimer possui três fases: a fase inicial, a intermediária (que se divide em leve e grave) e a terminal.
Fase inicial: há somente alguns esquecimentos que não atrapalham a convivência. O doente ainda é independente. Existem dois tipos de esquecimento: o esquecimento de uma pessoa normal e de um portador de Alzheimer. Por exemplo, uma pessoa normal lembra-se que esqueceu um lápis na mesa, já a pessoa que tem Alzheimer não lembra-se que deixou o lápis em cima da mesa.
Fase intermediária leve: o doente começa a depender de outra pessoa. Nessa fase ainda há momentos de lucidez. Trata-se de uma criança de mais ou menos de 08 anos, pois outra pessoa precisa lembrar de algumas rotinas, como tomar banho, por exemplo.
Fase intermediária grave: exige um cuidado intenso, porém o doente ainda pode ajudar em suas atividades. Nessa fase, há uma dificuldade maior de socialização e a perda de memória é mais intensa.
Fase terminal: o doente está completamente dependente de outra pessoa. Nesse momento, ele já está de cama, tem dificuldade em comunicar-se, alimentar-se, higienizar-se, entre outras. Muitos dos portadores não chegam a essa fase, pois morrem antes, devido a outras doenças, como diabetes, hipertensão, câncer, entre outras.
Mal de Alzheimer é uma doença hereditária. Se existe um caso da doença, pode ser que outra pessoa venha a ter o Alzheimer, isso não significa que outros familiares terão a doença.

à direita o cérebro de uma pessoa com Mal de Alzheimer e à esquerda um normal

à direita o cérebro de uma pessoa com Mal de Alzheimer e à esquerda um normal

Felizmente cientistas britânicos descobriram um tipo de anticorpo em ratos que bloqueia uma característica do mal de Alzheimer, com o qual surge uma potencial nova via de tratamento, segundo estudo publicado na última terça-feira (6) nos Estados Unidos. Os anticorpos bloqueiam uma proteína chamada Dkk1, que por sua vez detém a formação de placa amiloide no cérebro, fator chave para o avanço da doença, segundo a pesquisa publicada na revistaJournal of Neuroscience. Quando esta placa se acumula, faz com a conexão entre os neurônios, denominada sinapse, se perca na parte do cérebro conhecida como hipocampo, que se ocupa da aprendizagem e da memória.

“Estas novas descobertas trazem a possibilidade de que identificar esta proteína Dkk1 secretada poderia oferecer um tratamento eficaz para proteger as sinapses contra o efeito tóxido da amiloide-B”, explicou a autora principal do estudo, Patricia Salinas, do Departamento de Biologia Celular e Biologia do Desenvolvimento da Universidade College de Londres (UCL).

“É importante destacar que estes resultados trazem a esperança de um tratamento e talvez a prevenção da deterioração cognitiva precoce no mal de Alzheimer”, afirmou. A pesquisa só foi realizada em ratos e mais estudos são necessários para ver se seria revelante continuá-la em humanos. Estudos anteriores demonstraram que os cérebros de pessoas com Alzheimer, investigados em autópsias, têm níveis mais altos de Dkk1 do que os cérebros normais, mas os cientistas não têm certeza da razão. O último estudo feito em ratos demonstrou que os animais expostos a anticorpos contra o Dkk1 conseguiam ter mais sinapses do que outros ratos com Alzheimer que não fizeram o tratamento.

A pesquisa foi financiada pelo Instituto de Pesquisas do Alzheimer no Reino Unido (Alzheimer’s Research UK) e pelo Conselho de Pesquisas em Biotecnologia e Ciências Biológicas (BBSRC, sigla em inglês).

" Uma característica do Alzheimer é a lembrança do passado causando o esquecimento do presente "

Não há prevenção para o Mal de Alzheimer, porém especialistas recomendam exercícios contínuos para o cérebro como leitura, palavras-cruzada, etc. Fique atento a todos os sintomas da doença, pois se for detectada no início, medicamentos poderão minimizar alguns dos sintomas da doença e assim oferecer ao paciente uma melhor qualidade de vida.
Espero que tenham gostado de ler um pouco mais sobre o Mal de Alzheimer e tenham notado que se trata de um problema gravíssimo de saúde pública!

Desejo a todos uma ótima semana, as mulheres venho desejar aqui um feliz dia internacional da mulher e voltem sempre!

Fonte: http://noticias.uol.com.brhttp://cyberdiet.terra.com.br

By Kássio Castro

Anúncios

Pérolas: jóias naturais

13/12/2010

Olá Biogalera, que saudade de escrever aqui pra vocês! Desculpem a ausência, mas como meus colegas já justificaram anteriormente, estavamos um pouquinho atarefados na faculdade.  Semana passada, estávamos em uma das praias aqui do Piauí, em um luau improvisado que fizemos e uma amiga me perguntou se eu sabia como era o processo de fabricação de uma pérola.  Quando estava explicando para ela, lembrei de vocês e achei interessante postar aqui aqui também, visto que muitas pessoas desconhecem como essas jóias tão preciosas se originam.

A maioria das jóias são confeccionadas usando-se metais preciosos e pedras preciosas encontradas no solo, porém as pérolas são encontradas dentro de uma criatura viva, a ostra. As pérolas são resultado de um processo biológico – é a maneira da ostra se proteger de substâncias estranhas. Quando um parasita invade seu corpo, ela libera uma substância chamada madrepérola, que se cristaliza sobre o invasor impedindo-o de se reproduzir. Depois de cerca de três anos esse material vira uma pérola. Sua forma depende do formato do invasor e sua cor varia de acordo com a saúde da ostra.

Portanto, uma pérola é uma substância estranha coberta com camadas de madrepérola. A maioria das pérolas que vemos nas joalherias são objetos bem redondos, e são as mais valiosas. Nem todas as pérolas se saem tão bem assim. Algumas pérolas possuem um formato irregular – estas são chamadas pérolas barrocas. As pérolas, como você provavelmente já notou, possuem grande variedade de cores, incluindo branca, preta, cinza, vermelha, azul e verde. A maioria das pérolas podem ser encontradas por todo o mundo, mas as pérolas pretas são nativas do sul do Pacífico.

As ostras não são os únicos moluscos que podem produzir pérolas:  mexilhões e amêijoas (espécies de mariscos) também produzem pérolas, mas esta é uma ocorrência muito mais rara. A maioria das pérolas são produzidas pelas ostras, tanto em ambientes de água doce quanto de água salgada.

PÉROLAS CULTIVADAS

Como em tudo na natureza, o homem também é capaz de interferir no processo de produção de pérolas, cultivando-as em seu benefício. As pérolas cultivadas são criadas pelo mesmo processo que as pérolas naturais, só que com a ajuda dos criadores.  O processo é o seguinte: o criador abre a concha da ostra e faz uma pequena fenda no tecido do manto. Pequenas irritações são então inseridas por baixo do manto. Em pérolas cultivadas em água doce, cortar o manto da ostra é o suficiente para induzir a secreção de madrepérola que produz uma pérola sem que para isso um corpo estranho tenha que ser inserido.

Porém, as pérolas que são induzidas a serem formadas (as cultivadas), tem um valor menor, do que as que são formadas naturalmente, ainda que sejam de mesma qualidade pelo fato de não serem tão raras.

Vou ser bem sincera, quando eu era criança e descobri como eram feitas as pérolas, meu sonho era colocar milhões de grãozinhos de areia dentro das ostras rsrs. Curioso como um grão de areia, algo tão comum na natureza pode se tornar uma peça tão preciosa e rara como a pérola não é? A natureza é mesmo incrível!

Espero que para aqueles que não sabiam como eram produzidas as ostras, este post tenha servido de auxílio.

Um beijo para todos vocês!

Entrem na nossa comunidade no orkut! O link está no menu a direita, lá em baixo! Basta clicar na imagem.

Fonte: Wikipédia, Uol Ciência

Post by: Alzira Farias

Serpente siamesa

15/08/2010

Olá Biogalera!
Recentemente correu no mundo um vídeo de uma tartaruguinha siamesa, gerando uma série de vídeos na internet, dentre estes vários, um vídeo de uma serpente siamesa foi muito falado, e daí várias perguntas surgiram. Por exemplo: como esse bicho caça, as duas cabeças são funcionais e como será que os mesmos se alimentam?

Então, antes de falar desse bicho é importante salientar de onde surgiu o termo siamês. Essa denominação começou a ser usada por causa dos gêmeos Chang e Eng, que nasceram no Sião (atual Tailândia) em 1811. E o interessante desses siameses ligados pelo tronco  (tinham o mesmo umbigo e fígado, conectado por seis polegadas de tecido) é o fato de eles terem casado com as irmãs Adelaide e Sarah Yates e tiverem 22 filhos, Os gêmeos ficavam metade do dia na casa de cada esposa, eles tinham personalidades distintas, porém foram “bem ligados”. Os gêmeos Chang e Eng permaneceram ligados até o final de suas vidas. Chang sofreu um derrame e morreu de bronquite. Eng morreu, aparentemente de choque, duas horas e meia depois. Chegaram aos 63 anos. Existem filmes, livros, etc. sobre a bonita historia de Chang e Eng.

Gêmeos Chang e Eng Bunker

Depois dessa bonita história dos gêmeos Chang e Eng vamos falar sobre a serpente siamesa encontrada por veterinários no jardim de um zoológico do Sri Lanka. Então respondendo às perguntas anteriores. Bem, essa é uma Píton bebezinho medindo mais ou menos 24.5 cm, visto que esse animal fica gigantesco que possuí a mesma anomalia genética dos gêmeos citados acima, porém possuindo duas cabeças que têm alguns órgãos mútuos,  no entanto essa anomalia em répteis acaba se tornando rara.

Ela possuí dois cérebros funcionais e pode comer com ambas as bocas, quando ela se movimenta tende a usar a cabeça direita para se guiar, aparentemente o lado direito serve para navegação. E para uma maior percepção de como ocorre a alimentação dessa serpente siamesa. Lhes mostro um vídeo de uma outra serpente, também siamesa se alimentando de um roedor.

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco sobre os gêmeos Chang e Eng e da serpente siamesa encontrada no Sri Lanka e continuem lendo o Biogalera, quando possível deixando comentários, sugestões, etc.

Fonte: http://hypescience.com/10-animais-com-duas-cabecas/ e http://www.lost.art.br/changandeng.htm

By Kássio de Castro

Que tal uma “experiência” ?

30/05/2010

É algo que nunca postei aqui e que achei interessante mostrar pra vocês! Tudo se torna muito mais fácil de compreender quando se pode vivenciar o que foi aprendido. Essa é uma experiência bem interessante que encontrei na net, tenho certeza que vocês vão gostar. 🙂

Retirei a experiência e o texto do site Pontociência, se quiserem conferir mais, visitem o site ok?

“Descubra por que o céu é azul e o que acontece no pôr do sol usando uma reação química e de quebra aprenda mais sobre a velocidade das reações.

Este experimento é parte do livro “Ciência na Tela: experimentos no retroprojetor”, publicado pelo pontociência em parceria com a Editora UFMG. O livro, de autoria de Alfredo Mateus, Débora d´Ávila Reis e Hélder de Figueiredo e Paula, apresenta diversas maneiras de se utilizar o retroprojetor em experimentos de Química, Física e Biologia”.

Materiais Necessários:

  • retroprojetor
  • solução de tiosulfato de sódio
  • solução de ácido clorídrico
  • bastão de vidro
  • béquer
  • cartolina preta
  • celofane azul

O vídeo abaixo mostra direitinho como realizar esse experimento!

Posteriormente estarei colocando novos experimentos para vocês, ok?

Boa semana para vocês.

Fonte: Pontociência

Post by Alzira R. Farias