Pérolas: jóias naturais

Olá Biogalera, que saudade de escrever aqui pra vocês! Desculpem a ausência, mas como meus colegas já justificaram anteriormente, estavamos um pouquinho atarefados na faculdade.  Semana passada, estávamos em uma das praias aqui do Piauí, em um luau improvisado que fizemos e uma amiga me perguntou se eu sabia como era o processo de fabricação de uma pérola.  Quando estava explicando para ela, lembrei de vocês e achei interessante postar aqui aqui também, visto que muitas pessoas desconhecem como essas jóias tão preciosas se originam.

A maioria das jóias são confeccionadas usando-se metais preciosos e pedras preciosas encontradas no solo, porém as pérolas são encontradas dentro de uma criatura viva, a ostra. As pérolas são resultado de um processo biológico – é a maneira da ostra se proteger de substâncias estranhas. Quando um parasita invade seu corpo, ela libera uma substância chamada madrepérola, que se cristaliza sobre o invasor impedindo-o de se reproduzir. Depois de cerca de três anos esse material vira uma pérola. Sua forma depende do formato do invasor e sua cor varia de acordo com a saúde da ostra.

Portanto, uma pérola é uma substância estranha coberta com camadas de madrepérola. A maioria das pérolas que vemos nas joalherias são objetos bem redondos, e são as mais valiosas. Nem todas as pérolas se saem tão bem assim. Algumas pérolas possuem um formato irregular – estas são chamadas pérolas barrocas. As pérolas, como você provavelmente já notou, possuem grande variedade de cores, incluindo branca, preta, cinza, vermelha, azul e verde. A maioria das pérolas podem ser encontradas por todo o mundo, mas as pérolas pretas são nativas do sul do Pacífico.

As ostras não são os únicos moluscos que podem produzir pérolas:  mexilhões e amêijoas (espécies de mariscos) também produzem pérolas, mas esta é uma ocorrência muito mais rara. A maioria das pérolas são produzidas pelas ostras, tanto em ambientes de água doce quanto de água salgada.

PÉROLAS CULTIVADAS

Como em tudo na natureza, o homem também é capaz de interferir no processo de produção de pérolas, cultivando-as em seu benefício. As pérolas cultivadas são criadas pelo mesmo processo que as pérolas naturais, só que com a ajuda dos criadores.  O processo é o seguinte: o criador abre a concha da ostra e faz uma pequena fenda no tecido do manto. Pequenas irritações são então inseridas por baixo do manto. Em pérolas cultivadas em água doce, cortar o manto da ostra é o suficiente para induzir a secreção de madrepérola que produz uma pérola sem que para isso um corpo estranho tenha que ser inserido.

Porém, as pérolas que são induzidas a serem formadas (as cultivadas), tem um valor menor, do que as que são formadas naturalmente, ainda que sejam de mesma qualidade pelo fato de não serem tão raras.

Vou ser bem sincera, quando eu era criança e descobri como eram feitas as pérolas, meu sonho era colocar milhões de grãozinhos de areia dentro das ostras rsrs. Curioso como um grão de areia, algo tão comum na natureza pode se tornar uma peça tão preciosa e rara como a pérola não é? A natureza é mesmo incrível!

Espero que para aqueles que não sabiam como eram produzidas as ostras, este post tenha servido de auxílio.

Um beijo para todos vocês!

Entrem na nossa comunidade no orkut! O link está no menu a direita, lá em baixo! Basta clicar na imagem.

Fonte: Wikipédia, Uol Ciência

Post by: Alzira Farias

Explore posts in the same categories: Biologia Marinha, Curiosidades do mundo animal, Experimentos, Zoologia

Tags: , , , , , , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: