Archive for the ‘Curiosidades do mundo animal’ category

O fenômeno da Pororoca

01/03/2012

Fala Biogalera!!

Todos nós sabemos a riqueza de fauna e flora do Brasil, além da grande quantidade de rios, lagos e lagoas presentes no nosso país. Devido a grande extensão, diversidade, etc.  não se é difícil encontrar alguns fenômenos, no mínimo, “estranhos”. E é justamente sobre um desses fenômenos que venho falar hoje.

Alguma vez você já deve ter ouvido falar sobre o “fenômeno da Pororoca”, mas afinal, de que se trata esse fenômeno?

Pororoca é derivado do Tupi que designa “estrondo”, corresponde a um fenômeno natural onde acontece o encontro das águas de um rio com o oceano.

Pororoca, fenômeno ocorre na foz do rio Amazonas

Pororoca ou Mupororoca é a forma como são denominados os Macaréus, que se tratam do choque  entre águas de um  rio caudaloso com as Ondas durante o início da maré enchente.  que ocorrem na Amazônia. Trata-se de um fenômeno natural produzido pelo encontro das correntes fluviais com as águas oceânicas.

O fenômeno se torna mais evidente nas mudanças de fase da lua, especialmente na lua cheia e nova. O processo ocorre quando os níveis das águas oceânicas se elevam e essas invadem a foz do rio, o confronto dessas águas promove o surgimento de grandes ondas que podem atingir até dez metros de largura e cinco de altura, podendo chegar a uma velocidade que oscila entre 30 e 35 quilômetros por hora.

A pororoca é resultado da atração simultânea da Terra com o sol e a lua, o fenômeno apresentado nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril possui características particulares, três grandes ondas adentram nos canais dos rios, provocando o fenômeno “terras caídas” que consiste no desmoronamento de grandes quantidades de terras emersas, ocasionando a morte de animais, plantas e a destruição de casas.
O fenômeno da pororoca não ocorre somente no Brasil, em muitos países acontece o mesmo, porém com outras denominações. Como por exemplo, na França, que acontece na foz dos rios Gironda, Charante e Sena, o fenômeno é chamado de mascaret. Na Inglaterra ocorre na foz dos rios Tamisa, Severu, Trent e Hughly, nesse país recebe o nome de bore. Bangladesh: foz do rio Megma, o fenômeno é chamado de Macaréu.

Pororoca, fenômeno ocorre na foz do rio Amazonas

Esse espetáculo da natureza propiciou realizar um sonho antigo dos surfistas de todo mundo, no caso ter o prazer de surfar um “onda doce”. Eu como apaixonado pelo surf e pelas belezas da nossa mãe  natureza pretendo um dia realizar esse sonho de surfar na pororoca.

Surfando na pororoca

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco sobre esse fenômeno tão belo que acontece no nosso país.

tenham um ótimo dia e espero que continuem acessando nosso Biogalera!

Fonte: http://www.mundoeducacao.com.br

By Kássio Castro

Tartaruga de duas cabeças e seis patas é exposta ao público na Ucrânia

24/02/2012

Fala Biogalera!!!

Depois de passar um tempinho longe do Biogalera devido a motivos acadêmicos estou de volta com uma grande curiosidade que está rodando o mundo e resolvi compartilhar com vocês!

Aos amantes de Biologia e principalmente os da parte de Biologia marinha, atentem-se a essa tartaruga de duas cabeças e seis patas apresentada ao público na Ucrânia.

Tartaruga com duas cabeças e seis patas é exibida na Ucrânia. (Foto: Genya Savilov / AFP Photo)

Uma tartaruga com duas cabeças e seis patas está em exibição no Museu de História da Ciência de Kiev, capital da Ucrânia. O réptil de 5 anos de idade possui também dois corações, mas apenas um intestino. O animal será mantido em exposição até o dia 20 de abril de 2012.

O animal participa de um evento promovido na instituição. O organizador Dmitry Tkachev acredita que a tartaruga seja fruto de uma mutação e que não sobreviveria se deixada na natureza. Ele também afirmou que uma cabeça não consegue enxergar a outra, o que pode levar cada uma delas a comandar o corpo para andar em direções opostas.

A equipe responsável pelo animal também afirma que cada cabeça “aprecia” tipos diferentes de comida: enquanto uma prefere folhas, a outra não suporta alimentos verdes e consome preferencialmente cenouras e pimentas.

Espero que tenha gostado de conhecer sobre esse caso tão curioso exposto na Ucrânia

Abraços e tenham um ótimo dia!

Fonte: http://g1.globo.com

By Kássio castro

Alligator Gar (Peixe-Jacaré)

18/08/2011

Fala Biogaleraa!!

Hoje vocês vão conhecer um cara de aparência estranha que pode até assustar, no entanto é um peixe relativamente passivo, solitário que vive em águas salobras norte-americanas. Importante salientar que apesar de boatos, não há nenhuma prova concreta que esse animal tenha atacado algum humano.

Esse cara é um primitivo peixe actinopterígeo. Ao contrário de outros Gars , O Alligator gar possui uma linha dupla de grandes dentes no maxilar superior. Seu nome deriva do jacaré, devido a aparência destes dentes, juntamente com focinho alongado do peixe. A superfície dorsal da Alligator gar é um marrom ou verde-oliva de cor, enquanto a superfície ventral tende a ser mais leves.

Aligator gar (vulgo peixe-jacaré)

Uma característica anatômica interessante deste peixe é que sua bexiga flutuabilidade está diretamente ligado à sua garganta, dando-lhe a capacidade de tirar do ar acima da água. Por esta razão, Alligator gar são frequentemente encontrados perto da superfície de um corpo de água.

Espero que tenha gostado de conhecer um pouco mais sobre o Alligator gar, vulgarmente conhecido como peixe-jacaré e se possível deixem comentários com dúvidas, elogios, críticas, etc.

Abraços e boa semana a todos!

Aligator gar (vulgo peixe-jacaré) com o apresentador richard rasmussen

Fonte: EO Wiley, 1976 A filogenia e biogeografia de gars fósseis e recentes (Actinopterygii: Lepisosteidae).. Mus. Nat. Hist. Univ. Kansas Misc. Publ. 64:1-111.

By Kássio Castro

 

 

Menor Sagui-pigmeu do mundo?

17/08/2011

Fala Biogalera!

Então hoje vou mostrar um primata de beleza ímpar que recentemente foi bem repercutido nos maiores jornais de publicação e revistas especializadas, no caso foi a possível descoberta do menor Saui-pigmeu do mundo.

Esse cara é a menor espécie de Símio (Subordem de primatas haplorrinos) conhecida, medindo apenas cerca de 15 centímetros de comprimento (excluindo os outros 15 centímetros de cauda) e pesando 130 gramas, de pelagem acastanhada. Devido à sua pequena dimensão, e seus movimentos rápidos, é muito difícil de observar na natureza.

Saguí - pigmeu

Ele pode ser encontrado na Floresta Amazônica, no noroeste do Brasil e em áreas da Colômbia e Equador, é tão pequeno que alguns índios o deixam no cabelo para que cate piolhos e outros bichinhos. Esse sagui é ótimo escalador de árvores, devido a suas garras e sua longa cauda que ajuda a manter o equilíbrio. Sua alimentação consiste de frutas, folhas, insetos  e seiva das árvores, que eles bebem após roer a casca com seus dentes incisivos. Usam uma variedade de sons para se comunicar uns com os outros.

Recentemente um sagui-pigmeu de três meses de idade foi encontrado medindo 12,7 centímetros e pesando apenas 60 gramas e pode ser o menor do mundo. O animal chamado “Reillo”, que era do tamanho de um dedo humano foi abandonado pelos pais ao nascer, pertence ao zoológico de Lincoln, no estado de Nebrasca (EUA). “Reillo” foi cuidado pela tratadora Sarah Jurgen, de 26 anos.

Sagui-pigmeu de 12,7 centímetros

Muito Obrigado por acessarem o Biogalera, se possível deixem comentários, sugestões, críticas, perguntas, etc.  O Biogalera sempre estará disposto à ajudar ou discutir assuntos de interesse biológico.

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre o Saguí-pigmeu e tenham uma ótima semana ;D

Fonte: http://g1.globo.com/

By Kássio Castro

Enchentes no Paquistão provocam espetáculo de teias de aranha em árvores

07/04/2011

Beleza Biogalera!!!

Voltando hoje com para mostrar um fenômeno maravilhoso e altamente curioso que ocorrera no Paquistão, sem dúvidas foi um dos fenômenos mais estranhos que pude ver. Me mandaram por e-mail e acabei encontrando mais detalhado no G1, então decidi compartilhar com vocês também.

As enchentes que atingiram algumas áreas do Paquistão no ano passado acabaram gerando um efeito inesperado: um espetáculo de teias de aranha em árvores.

Árvores no Paquistão cobertas por teias de aranhas

Por causa da alta das águas, milhões de aranhas procuraram locais mais altos como abrigo. Devido à escala das enchentes e ao fato de que o nível da água levou muitos meses para baixar, diversas árvores ficaram completamente envoltas em teias de aranha.  A população desta parte da província de Sindh nunca havia visto este fenômeno antes, segundo relatos feitos ao Departamento para o Desenvolvimento Internacional do governo britânico. Os moradores das regiões atingidas também afirmam que há menos mosquitos que o esperado.

Acredita-se que os mosquitos tenham ficado presos nas teias, reduzindo o risco de malária, algo que seria positivo para a população local, que enfrentou tantas dificuldades após as enchentes.

Árvores cheias de teias de aranhas no Paquistão

Muito Obrigado por lerem esse post biogalera, espero que tenham gostado e sinta-se a vontade pra comentar, corrigir, elogiar, criticar, etc.

Vlw Biogalera!

By Kássio Castro

Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/04/enchentes-no-paquistao-provocam-espetaculo-de-teias-de-aranha-em-arvores.html

Canibalismo entre “calangos de parede”

10/02/2011

Primeiramente gostaria de lamentar pela minha ausência do blog durante esse tempo de férias, em breve o Biogalera virá com uma nova cara, com muito mais curiosidades, artigos, novidades dos autores do blog, etc.

Então Biogalera!

Hoje eu começo compartilhando com todos vocês um fato extremamente curioso que observei na minha casa. E além de trazer informações científicas, técnicas, dentre outras, o Nosso blog tem a função de compartilhar essas coisas inusitadas e ao mesmo tempo tão belas na natureza e às vezes nem tão belas assim… srsr … Como a que pude presenciar hoje pela manhã.

Trata-se de um caso de canibalismo entre os vulgarmente chamados “calangos de parede”, mas antes de descrever toda essa historia seria interessante que nós soubéssemos um pouco mais sobre esse cara tão comum no nosso cotidiano que às vezes passa despercebido aos nossos olhos.

“O calango de parede” é denominado cientificamente como Tropidurus SP, sendo pertencente à família Tropiduridae, esse cara é muito comum em toda América do sul e principalmente no Brasil. É um pequeno lagarto que consegue andar como as lagartixas pelas paredes e troncos de árvores em posição vertical, embora suas patas tenham outro tipo de formação preênsil. Tem hábitos diurnos. Rápido nos movimentos, e sob calor fica muito mais ativo, e é comum vê-lo balançando a cabeça para cima e para baixo (movimento que os nordestinos denominam como calaguear) Além do mais são animais ovíparos e esses caras podem atingir até 30 cm de tamanho.

Canibalismo entre Tropidurus sp observado na minha residência

Mas afinal, do que se trata esse tal canibalismo, como vocês estão podendo observar na figura acima. O canibalismo é uma relação entre indivíduos da mesma espécie. No canibalismo, um animal mata outro da sua própria espécie para se alimentar. A aranha viúva-negra e a fêmea do louva-a-deus são exemplos de canibalismo. Em ambos os casos, as fêmeas devoram os machos após a cópula (ato sexual). Contrariamente ao que acontece no nosso caso, onde uma espécie adulta se alimenta de um jovem ainda. Isso é muito comum entre essa espécie, porém eu nunca havia presenciado fato tão interessante.

Mas vocês devem está pensando, tadinho do filhote, acabou sendo devorado pelo maior! Pois estão profundamente enganados, hoje a caça se sobressaiu em relação ao caçador, Em um momento de distração a presa conseguiu se soltar e ir embora, mas isso é raro, trata-se da lei da evolução das espécies, onde o mais forte eliminam os menos aptos, ou no caso se trate apenas de uma escassez de alimento, fazendo com que o calando maior visse uma boa refeição no pequeno Tropidurus. Mas o bacana mesmo foi poder ter presenciado cena tão incrível na minha própria casa e ter a oportunidade de compartilhar com vocês … rsrs

Tropidurus sp menor perto de conseguir fugir do maior

Espero que tenha gostado de conhecer um pouco mais sobre o nosso querido e conhecido Tropidurus sp, além de ter ficado um pouco mais dentro do assunto de canibalismo e melhor de tudo, poder visualizar esses dois fatos, ou seja, Canibalismo entre Tropidurus sp. Muito obrigado por lerem e estamos sempre abertos a sugestões, dúvidas, curiosidades de todos nossos irmãos leitores.

By Kássio Castro

Fonte: http://www.plantasdeaquario.com/zoo23.htm ;

http://pt.wikipedia.org/wiki/Canibalismo;

http://educar.sc.usp.br/ciencias/ecologia/associa.html


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.